Carregando...
Publicado por SeuGado.com Gado

Crescer ou desaparecer?

Leite 12/01 07:01

Este é o dilema enfrentado pelo pequeno produtor de leite no BR. Para especialistas, a saída passa por vários fatores

 

Se o Censo Agropecuário de 2017 for efetivamente realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o número de produtores de leite brasileiros deve ser bem diferente daquele registrado no último levantamento, de 2006, que indicava que o Brasil possuía cerca de 1,35 milhão de produtores rurais dedicados à pecuária leiteira. Estudos mais recentes, projetando dados de 2006, já indicavam que pelo menos 216 mil daqueles produtores deixaram a atividade no período. E que a maior parte do leite do País passou a ser produzida por pequena parcela de pecuaristas, considerados de médio a grande portes, provocando uma acentuada concentração no setor. Em uma economia de competição acirrada, observa-se que o pequeno produtor está sendo excluído da atividade. A pergunta é: essa história pode ter um desfecho diferente?

 

Em termos estatísticos, o produtor de subsistência, se ainda não “sumiu”, está de fato cada vez mais à margem do mercado que exige algum tipo de fiscalização, seja ela municipal, estadual ou federal. Levantamento feito em 2014 pelo analista Lorildo Stock, da Embrapa Gado de Leite, de Juiz de Fora (MG), aponta que o número global de produtores de leite no Brasil vem caindo à taxa de 2,7% ao ano – e que os pequenos têm participação  cada vez menor na produção nacional. O estudo que mostra o encolhimento de 216 mil produtores entre 2006 e 2012 “curiosamente, coincide com a queda do número de fazendas com produção de até 50 litros de leite por dia”, diz Stock.

 

Ele assinala, ainda, que o aumento praticamente anual do volume de leite fiscalizado no País (em torno de 23,1 bilhões de litros em 2016, segundo o IBGE), mesmo com uma menor quantidade de pessoas dedicadas à atividade, é atribuído a pecuaristas que alcançaram maior produção e produtividade. “Levando em conta todos os produtores com mais de 100 litros por dia, são 135 mil estabelecimentos que, juntos, produzem 84% do leite nacional”, dizia Stock, em seu estudo de 2014, os dados mais recentes a respeito do assunto.

 

Assim, a concentração na atividade leiteira, situação na qual um número cada vez menor de pecuaristas fica responsável por abastecer o mercado com volumes maiores de produção, ocorre a passos largos no País, conforme especialistas ouvidos pela Mundo do Leite. E marginaliza, ano a ano, o pequeno produtor, confinando-o à subsistência, à clandestinidade no comércio, ou, caso trabalhe de maneira legalizada, a nichos de mercado ligados, por exemplo, ao “fair trade” (comércio justo, na tradução para o português) e à pecuária orgânica. A saída, para esses especialistas, é legalizar a atividade e crescer.

 

O presidente da Câmara Setorial Produtiva do Leite do Ministério da Agricultura, Rodrigo Alvim, vai além e diz que não só pecuaristas de menor porte estão desistindo, num mercado cada vez mais competitivo e de pressão de custos. “O que se nota é que aqueles produtores que levavam a atividade como meio de subsistência, com pouco ou nenhum investimento, com produção exclusivamente a pasto e sem adoção de tecnologia estão saindo do mercado, independentemente do volume de leite produzido”, diz Alvim, que também preside a Comissão Nacional de Pecuária de Leite da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). Este fenômeno foi mais acentuado entre 2015 e 2016, na visão da pesquisadora Rosangela Zoccal, da Embrapa Gado de Leite, de Juiz de Fora (MG). “Nesse período, o aumento dos preços pagos ao produtor foi menor do que o aumento do custo de produção. Uma situação dessas força o produtor a dois caminhos: a desistir ou a crescer”, diz ela, lembrando que o aumento de escala produtiva dilui custos.

 

Já o engenheiro agrônomo Abel Leocádio Fernandes, sócio-proprietário da Infinite Consultores, de Juiz de Fora (MG), comenta que, sem assistência técnica, crédito agrícola e outras alternativas de crescimento incentivadas por políticas públicas – “que praticamente não existem há décadas para este segmento” –, o pequeno produtor de leite ficará gradativamente à margem do processo. “Se ele tira entre 60 e 100 litros de leite por dia, mal vai conseguir um salário mínimo no fim do mês. Então, a tendência é que ele cada vez mais procure emprego em outras áreas, seja na fazenda do lado, como peão, ou outra atividade qualquer”, diz Fernandes. “Além disso, aquele queijinho ou leite em garrafa PET que ele entrega de porta em porta terá cada vez menos mercado, pois a tendência, com a concentração da população em centros urbanos, é o consumo de produtos fiscalizados.” Nesse sistema pouco rentável e de pequena escala, outro grande desafio, na visão do economista e pesquisador da Embrapa Gado de Leite, Glauco Carvalho, é a sucessão familiar. “Este pequeno produtor de leite que se dedica também a outras atividades acaba lentamente, mas acaba, por falta de sucessor”, comenta. “O filho vê oportunidades mais atraentes na cidade, para onde vai estudar e trabalhar, descontinuando a atividade dos pais.”

 

50 anos - Lembrando o que aconteceu historicamente nos grandes países e blocos produtores de leite da atualidade, como Estados Unidos, Nova Zelândia, Austrália e União Europeia, “a produção começou pequena, voltada à subsistência, baseada na ordenha manual de poucas vacas, de baixa produtividade”, conta o consultor e sócio-administrador da consultoria Transpondo, Wagner Beskow, de Cruz Alta (RS). “Com a urbanização, a partir do início do século 19, a atividade foi tomando corpo e importância e a demanda crescente estimulou produtores a aumentarem rebanhos, a selecionar uma genética especializada e a melhorar a alimentação dos animais.” Beskow ressalta que todos esses países passaram por isso, assim como o Brasil está passando. “Ocorre que no grupo mais desenvolvido de países exportadores citados acima, isso tudo se deu 50 anos antes do que aqui.”

 

Assim, em todos eles, sistematicamente, a produção nacional aumentou, enquanto o número de produtores diminuiu. “Produtores que não se modernizaram, não aumentaram a produtividade e não melhoraram a qualidade do produto não mantiveram resultados que justificassem a continuidade: ou sua renda líquida se tornou muito pequena ou a falta de qualidade de seu produto os eliminou, quando não ambos.” Assim, o consultor relata que hoje o grande desafio está em auxiliar a faixa de produtores abaixo de 100 litros/dia, com renda líquida menor que R$ 400 por mês, a avançar para a faixa acima de 300 litros/dia. “E isso só tem sido possível para produtores que de fato desejam isso, que representam pela nossa experiência apenas 10% do total, pois o restante, quase que invariavelmente, dispõe de outras fontes de renda, como aposentadoria, auxílios sociais, outras criações, arrendamentos e ‘bicos’”, diz.

 

Justamente pelo fato de esse pequeno pecuarista conseguir subsistir com uma gama variada de atividades, o coordenador técnico do Projeto Educampo/Sebrae em Minas Gerais, Christiano Nascif, traça um destino menos sombrio. Ele concorda que a concentração na cadeia leiteira nacional já ocorreu, mas lembra que o pequeno produtor tem muito mais flexibilidade do que o médio ou o grande. A começar pelo fato de esse segmento se basear na mão de obra familiar, que tem custos menores ante seus concorrentes. Conforme Nascif, embora a remuneração dessa classe de produtor seja baixa, acaba tornando viável a manutenção da atividade de pequeno porte. “Não que este produtor tenha vida muito boa. Ele vive, mas com pouco, incluindo aí as outras atividades que compõem a renda, como venda de ovos, milho, feijão, e da própria mão de obra para outras propriedades”, continua. “Ele tira o leite de manhã e à tarde vai trabalhar para os outros.”

 

Quanto a este assunto, estudo de 2013 da pesquisadora Rosangela Zoccal revela que, dos 610 mil produtores classificados com produção de até 10 litros/dia, conforme o Censo 2006, cerca de 420 mil, na realidade, não vendiam seu leite. Muitos produziam para o consumo da família ou faziam queijos artesanais. Assim, o leite desses produtores nem sempre é contabilizado como leite formal. Ela também defende que a solução para a manuContenção do pequeno produtor no mercado formal passa por nichos como leite orgânico, queijos e iogurtes artesanais. E lembra que, “dadas as dimensões continentais do País, ainda tem lugar para o pequeno produtor”, sem discordar, porém, quanto à concentração que de fato já acontece.

 

Médio encurralado - Para Nascif, quem está fadado a ser mais pressionado e desaparecer é o médio produtor de leite, que sofre, por um lado, a pressão de aumento de custos e por outro as dificuldades em ampliar a produção em escala. “Um grande produtor, por exemplo, consegue comprar insumos em grandes volumes e mais baratos e vender o leite mais caro; com o médio, ocorre o contrário. É um paradoxo”, diz. Carvalho, da Embrapa, corrobora a afirmação de Nascif e diz que há pesquisas que apuram diferenças de preços de até 40% entre insumos comprados em grandes e menores quantidades. Sem contar a exigência maior de contratação de mão de obra, a impossibilidade de viver na clandestinidade, a pressão por qualidade e as grandes oscilações de preço do litro do leite no Brasil. “Aqui o leite está a R$ 1,50 e no mês seguinte cai para R$ 1. Qual negócio no mundo você consegue administrar com 30% de variação no período?”

 

Carvalho ressalta ainda que o fato de a atividade agropecuária estar num país tropical permite uma “sobrevida” ao produtor familiar. “Em um manejo basicamente a pasto, o clima tropical acaba permitindo ao pecuarista ‘errar um pouco mais’, o que não acontece, por exemplo, com os grãos. Mesmo com pasto degradado, as vacas reduzem a produção, mas continuam a dar leite. Só que, sem gestão, o criador não percebe que o que o animal deixou de comer vai se refletir lá na frente, na reprodução”, diz Carvalho. “Ele continua tendo uma renda para sobreviver, mas o cenário vai piorando ao longo do tempo.”

 

O consultor do Educampo/Sebrae lembra que um fator que também contribui para manter este produtor no leite é a permissividade que há no Brasil – e que não há em outros grandes países produtores – em relação ao leite clandestino. “Calcula-se em cerca de 10 bilhões de litros/ano a produção de leite não inspecionado no País”, diz o consultor, que é de Viçosa (MG). “Aqui, uma cidade de 80 mil habitantes, ainda tem produtor entregando leite não inspecionado para sorveterias, para queijeiros. Ele sobrevive à margem das estatísticas oficiais e dificilmente o poder público interferirá de maneira assertiva nisso porque, queira ou não, esse universo de produtores rende votos”, diz, e sentencia: “Enquanto houver a possibilidade da existência do leite informal no Brasil haverá o pequeno produtor de leite”.

 

*Matéria publicada originalmente na edição 85 da revista Mundo do Leite. 

Fonte: Portal DBO
Comentários
logo-seugado

Para ter acesso completo a esse conteúdo faça login ou cadastre-se grátis.