Carregando...
Publicado por SeuGado.com Gado

Café: safra brasileira pode chegar a 52 milhões de sacas

Grãos 22/01/2018 07:01

Segundo o Conselho Nacional do Café, avanço na produção deve ficar entre 11,2% e 15,6%

 

A safra brasileira de café deverá ficar entre 50 milhões e 52 milhões de sacas de 60 kg em 2018, com avanço de 11,2% a 15,6% em comparação com a colheita do ano passado. Desse total, a variedade arábica responde por um intervalo entre 38 milhões e 39 milhões de sacas e a conilon de 12 milhões a 13 milhões de sacas, segundo sondagem realizada pelo Conselho Nacional do Café (CNC), entre as suas cooperativas associadas.

 

O CNC informa em comunicado que este será um ano de safra cheia, proporcionado pela bienalidade positiva da maioria das lavouras de arábica, bem como pela recuperação das plantações de conilon após praticamente quatro anos de dificuldades em virtude de adversidades climáticas.

 

Segundo o Conselho, "a apuração junto às cooperativas apresenta volume inferior aos números oficiais divulgados pelo governo, haja vista que a vivência direta no campo dos técnicos de nossas associadas permite uma apuração diária imediata da evolução das plantas e, por meio disso, já podem identificar dificuldade no desenvolvimento dos chumbinhos em virtude do período de estiagem que os cafezais de algumas localidades vivenciaram durante a fase de florada".

 

Na quinta-feira, 18, a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) divulgou a primeira previsão para a safra de café em 2018. Conforme a Conab, a produção brasileira de café deve ficar entre 54,44 milhões e 58,51 milhões de sacas de 60 quilos, representando uma variação positiva entre 21% a 30% em comparação com a safra do ano passado, quando atingiu 44,9 milhões de sacas.

 

O CNC acrescenta que, nos níveis mínimos ou máximos a serem alcançados, o Brasil produzirá um volume suficiente para, somado aos estoques, honrar seus compromissos com o consumo interno e, também, com as exportações, mantendo seu posicionamento de principal produtor e exportador mundial de café.

 

Pesquisa - O CNC destaca, ainda, que, conforme a Lei de Diretrizes Orçamentárias - LDO 2018, o governo federal reservou, para o Desenvolvimento da Cafeicultura Nacional, o montante de R$ 9,965 milhões do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé), "possibilitando o fomento dos trabalhos de pesquisa para a atividade ampliar seu leque sustentável no tripé ambiental, social e econômico".

 

Robusta - A safra de café robusta (conilon) 2018 no Espírito Santo, que começa a ser colhida em abril, deve ficar estável na comparação com a temporada passada, ou até registrar pequeno avanço. O Estado, principal produtor da variedade no Brasil, teve seus cafezais bastante prejudicados pela seca em 2015 e 2016. No ano passado, a produção da variedade já apresentou recuperação, atingindo 5,9 milhões de sacas de 60 kg, alta de 17,5% em relação ao ano anterior.

 

De acordo com o diretor Técnico, Mauro Rossoni Junior, do Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper), o clima melhorou nas regiões produtoras capixabas. A dificuldade para uma recuperação mais intensa se dá pela demora em se reorganizar as lavouras após os problemas climáticos e também pela necessidade de replantio, em alguns casos. "Os produtores têm sinalizado uma colheita próxima da de 2017 ou levemente maior. Por causa da seca, muitos fizeram o replantio. Essas plantas só devem começar a produzir a todo vapor a partir de 2019", explicou.

 

Outro fator que pode comprometer a produção é a redução da área plantada. Rossoni disse que o preço menos remunerador tem limitado os investimentos dos cafeicultores. A área cultivada no Espírito Santo vem diminuindo ao longo dos anos e, no ano passado, recuou cerca de 10%, segundo dados do Incaper.

 

O gerente Comercial de Café, Edimilson Calegari, da Cooperativa Agrária dos Cafeicultores de São Gabriel (Cooabriel), no norte do Estado, principal região produtora de conilon, apontou também a redução do parque cafeeiro como um empecilho para uma safra muito volumosa e crê numa recuperação total a partir de 2019. Entretanto, diante do clima mais chuvoso, ele espera crescimento de até 20% na colheita deste ano para a variedade no Espírito Santo, sobretudo no norte e noroeste (responsáveis por mais de 80% da produção de conilon capixaba), e também no sul da Bahia, onde existem algumas áreas de atuação da cooperativa. A estimativa da Cooabriel é de que a colheita alcançou cerca de 6 milhões de sacas no Espírito Santo e 2 milhões de sacas no sul da Bahia, somente de conilon, em 2017.

 

Para 2019, Calegari disse que as perspectivas são positivas, mas reforçou que é difícil olhar para um intervalo de tempo tão longo. "As plantas já estarão em plena capacidade de produção, mas dependem muito do clima. Temos sempre um pé atrás com essa questão", observou.

 

Já para a colheita deste ano, tanto Calegari quanto Rossoni destacaram que a safra está passando por um momento importante e que precisa de muita água. "Agora é o período de formação do grão. É a fase mais crítica. Precisamos de mais água no pé de café para o grão se formar (evitando que fiquem chochos)", disse Calegari.

 

O ritmo de chuvas no parque cafeeiro de robusta no Estado foi positivo no começo do mês, mas agora o calor tem predominado. Mesmo diante do fato de, segundo o Incaper, 70% da lavoura capixaba da variedade ser irrigada, a técnica pode não ser suficiente para compensar as altas temperaturas. A estimativa, por agora, é de mais chuva para o fim deste mês. "Se vier uma chuva de 50 a 60 milímetros estaremos tranquilos", acrescentou Calegari.

 

Fonte: ESTADÃO CONTEÚDO
Comentários
logo-seugado

Para ter acesso completo a esse conteúdo faça login ou cadastre-se grátis.