Carregando...
Publicado por Thiago Grespi

A jornada heroica do agronegócio

Editado 13/04/2017 11:11

"O PIB negativo de 3,6% de 2016 confirmou a pior recessão da história do Brasil desde a série histórica de medição na década de 1940. O que mais chamou atenção nos resultados foi a queda na produção agropecuária. O resultado surpreende porque, ao longo das duas últimas décadas, o setor se destacou pelo robusto crescimento - e, mais recentemente, enquanto outros setores (serviços, indústria e setor público) registravam queda, manteve um desempenho positivo, sendo fundamental na manutenção dos empregos. A fotografia do PIB tirada em 2016 demonstrou uma retração da agropecuária (-6,6%) superior í  ocorrida na indústria (-3,8%) e nos serviços (-2,7%). O mau resultado pode ser justificado por uma série de fatores econômicos, além de condições climáticas desfavoráveis í  produção. A despeito do resultado ruim, a agropecuária é, de longe, o setor econômico que mais prospera no paí­s. Ao longo dos últimos 20 anos, o PIB do setor cresceu 93%, enquanto o PIB nacional avançou 62% e o, da indústria e serviços em 32% e 70%, respectivamente. [img]https://d2vjc40pgb63dh.cloudfront.net/file/attachment/2017/04/497f88a0e1e7c720c713970e247cedb6_view.png[/img] O ótimo desempenho da agropecuária é, basicamente, resultado de investimento em tecnologia de produção. O produtor rural é altamente capacitado, dotado de criatividade e pensamentos inovadores que garantiram atravessar as adversidades climáticas, polí­ticas e econômicas ao longo de todos esses anos. Cada vez mais temos visto a implementação de normas e procedimentos que garantem um crescimento sustentável no campo, com melhores condições de trabalho e respeito ao meio ambiente. Nesse percurso, que podemos classificar como heroico, o setor passou por graves crises econômicas, no Brasil e no mundo, além de sofrer com a falta de polí­ticas consistentes, pouco investimento em infraestrutura para o escoamento e armazenamento da produção, restrições ambientais importantes e, não podemos esquecer, uma complexa cadeia de tributação, que onera muito a produção. O heroí­smo também residiu no cumprimento de sua função social. A despeito de ter registrado a maior queda no PIB em 2016, a agropecuária foi o setor que menos demitiu, minimizando os efeitos da recessão no desemprego. Em 2015, quando o paí­s já estava em recessão, o setor foi o único a manter saldo positivo na relação contratações/demissões segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). Podemos inferir que o mau resultado de 2016 se repetirá em 2017? Não. A expectativa é que o crescimento retome em 2017. Os primeiros meses do ano já trouxeram notí­cias que confirmam essa previsão. É esperada uma safra de maior rendimento em produção com manutenção dos preços das principais commodities agrí­colas em bons ní­veis para o produtor. Percebe-se o interesse de novos investidores, nacionais e estrangeiros, no segmento. Com a recente promessa de ruptura das restrições para aquisição de terras por estrangeiros, o Brasil pode vivenciar uma aceleração ainda maior no desenvolvimento do agronegócio. A jornada nos últimos 20 anos não foi fácil e esperamos novos desafios pela frente. Mas o agronegócio é um grande aliado para superarmos a recessão. Para isso, a sociedade e o governo devem ampliar a agenda de debates com os produtores rurais e indústrias alimentares criando oportunidades para garantir a sustentabilidade da economia setorial com polí­ticas públicas eficazes e novos investimentos públicos ou privados. A recuperação da economia depende do agronegócio. Este artigo foi redigido por Ricardo Varrichio, Diretor da PwC Brasil e do Centro de Excelência de Agronegócio. Fonte: LinkedIn
Comentários
logo-seugado

Para ter acesso completo a esse conteúdo faça login ou cadastre-se grátis.