Carregando...
Publicado por SeuGado.com Gado

Café: Bolsa de Nova York busca direcionamento nesta manhã de 5ª feira após queda na véspera

27/04/2017 14:14

Por volta das 09h35 (horário de Brasí­lia), o contrato maio/17 registrava 128,45 cents/lb com avanço de 30 pontos, o julho/17, referência de mercado, estava cotado a 130,50 cents/lb com desvalorização de 20 pontos As cotações futuras do café arábica na Bolsa de Nova York (ICE Futures US) operam próximas da estabilidade nesta manhã de quinta-feira (27). O mercado busca direcionamento após cair na véspera e oscilar entre altas e baixas nos últimos dias em movimentação técnica e com os operadores de olho no câmbio e informações sobre a produção de café no Brasil. Por volta das 09h35 (horário de Brasí­lia), o contrato maio/17 registrava 128,45 cents/lb com avanço de 30 pontos, o julho/17, referência de mercado, estava cotado a 130,50 cents/lb com desvalorização de 20 pontos. Já o vencimento setembro/17 caí­a 20 pontos, a 132,90 cents/lb, e o dezembro/17, mais distante, recuava 20 pontos e estava sendo negociado a 136,50 cents/lb. Após realizar ajustes ante as recentes baixas, o mercado voltou a demonstrar fragilidade na véspera - com vencimentos próximos de US$ 1,30 por libra-peso - após o avanço na sessão de ontem (25), mas segue oscilando tecnicamente e não de olho em questões fundamentais. "Ficamos surpresos (com a recente queda) dado que não há nenhuma mudança nos fundamentos, portanto permanecemos altistas. A seca continua nas principais áreas de café do Brasil", disse o Rabobank em relatório. Os preços internos do café arábica ficaram praticamente estáveis nesta quarta-feira e os negócios nas praças de comercialização do paí­s, segundo analistas, seguem isolados. Também por volta das 09h35, o tipo 6 duro era negociado a R$ 460,00 a saca de 60 kg em Patrocí­nio (MG) - estável, em Guaxupé (MG) os preços também seguiam estáveis a R$ 442,00 a saca e em Espí­rito Santo do Pinhal (SP) estava sendo cotado a R$ 450,00 a saca. Veja como fechou o mercado na quarta-feira: Café: Bolsa de Nova York retoma baixas na sessão desta 4ª em movimento técnico e com pressão do câmbio Após testarem recuperação na véspera, as cotações futuras do café arábica na Bolsa de Nova York (ICE Futures US) voltaram a fechar do lado vermelho da tabela nesta quarta-feira (26). O mercado voltou a recuar diante de fatores técnicos, de olho no câmbio - que impacta as exportações da commodity - e também seguiu a tendência dos últimos dias com liquidações. O contrato maio/17 fechou a sessão de hoje cotado a 128,15 cents/lb com queda de 175 pontos, o julho/17, referência de mercado, registrou 130,70 cents/lb com avanço de 170 pontos. Já o vencimento setembro/17 encerrou o dia com 133,10 cents/lb e desvalorização de 170 pontos e o dezembro/17, mais distante, caiu 165 pontos, fechando a 136,70 cents/lb. O mercado voltou a demonstrar fragilidade - com vencimentos próximos de US$ 1,30 por libra-peso - após o avanço na sessão de ontem (25), mas segue oscilando tecnicamente e não de olho em questões fundamentais. "A queda se deu em função de fatores técnicos e câmbio, seguindo a tendência vista nos últimos dias com liquidação dos fundos", disse em relatório o analista de mercado da Origem Corretora, Anilton Machado. "Ficamos surpresos (com a recente queda) dado que não há nenhuma mudança nos fundamentos, portanto permanecemos altistas. A seca continua nas principais áreas de café do Brasil", disse o Rabobank em relatório. O câmbio também contribuiu para as perdas no mercado. O dólar comercial subiu 0,68%, cotado a R$ 3,1730 na venda, após bater R$ 3,2080, acompanhando o cenário externo e a perspectiva dos investidores com o andamento das reformas no paí­s. A moeda estrangeira mais alta em relação ao real tende a dar maior competitividade í s exportações da commodity. Deve começar a chover nas regiões produtoras de café de Minas Gerais nesta quarta-feira (26) por conta de uma frente fria que chegou ao Brasil nos últimos dias. No entanto, na próxima semana, as precipitações diminuem acentuadamente e renovam as preocupações dos produtores com o déficit hí­drico. A temperatura deve diminuir acentuadamente no cinturão. De acordo com o balanço hí­drico semanal da Cooxupé (Cooperativa Regional de Cafeicultores em Guaxupé), até 17 de abril (segunda-feira), o déficit estava em 12,2 milí­metros em Coromandel (MG) e Monte Carmelo (MG), 5,1 milí­metros em Carmo do Rio Claro (MG) e cerca de 1 milí­metro em Guaxupé (MG). Para o presidente da Cooxupé (Cooperativa Regional de Cafeicultores em Guaxupé), Carlos Paulino, a queda no mercado nos últimos dias também está ligada com os operadores especulando uma supersafra em 2018. "Pode haver risco de geadas e seca em setembro ou janeiro e fevereiro. Então essa supersafra que já estão especulando para 2018 é muito especulativa", disse em entrevista ao Notí­cias Agrí­colas. Mercado interno Os preços internos do café arábica ficaram praticamente estáveis nesta quarta-feira e os negócios nas praças de comercialização do paí­s, segundo analistas, seguem isolados diante dos preços fragilizados e também da proximidade da colheita nas principais áreas produtoras do paí­s. No mês de abril, até o dia 25 de abril, a desvalorização acumulada do Indicador CEPEA/ESALQ do tipo 6, bebida dura para melhor, posto em São Paulo, foi de 4,8%. As baixas do arábica, por sua vez, estão atreladas í  proximidade da colheita da temporada 2017/18, que deve começar em maio, í s oscilações do dólar e í  forte queda externa. As informações são do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada). O café tipo cereja descascado registrou maior valor de negociação em Espí­rito Santo do Pinhal (SP) com saca cotada a R$ 500,00 - estável. A maior oscilação no dia ocorreu em Varginha (MG) com alta de 2,08% e R$ 490,00 a saca. O tipo 4/5 anotou maior valor de negociação em Poços de Caldas (MG) com 464,00 a saca - estável. A maior oscilação no dia dentre as praças ocorreu em Varginha (MG) que teve baixa de 1,08% e saca a R$ 460,00. O tipo 6 duro anotou maior valor de negociação no Oeste da Bahia com saca a R$ 472,50 e queda de 0,53%. A maior variação dentre as praças no dia ocorreu em Guaxupé (MG) com queda de 2,86% e saca a R$ 442,00. Na terça-feira (25), o Indicador CEPEA/ESALQ do arábica tipo 6, bebida dura para melhor, teve a saca de 60 kg cotada a R$ 452,38 e queda de 0,63%. Fonte: Portal Do Agronegócio
Comentários
logo-seugado

Para ter acesso completo a esse conteúdo faça login ou cadastre-se grátis.