Carregando...
Publicado por SeuGado.com Gado

Café, o grão que transformou São Paulo em metrópole

Editado 23/03/2017 20:44

Maior cidade do paí­s completa 463 anos de história com forte influência da agricultura No começo do século XIX, o café já era tratado como investimento pelo Império de Dom Pedro II, mas ainda não havia chegado í s terras de São Paulo, que na época era um centro econômico e politicamente modesto se comparado a Santos e Rio de Janeiro. Com a ampliação das plantações no paí­s e também no interior do Estado, a então vila de São Paulo passou a ser destino de altos investimentos e também casa de barões do café da época. -A ampliação do café dá uma estrutura para conectar São Paulo ao litoral, que eram conhecidos como "serra cima" e "serra baixo", e tinha o acesso de mercadorias feito nos lombos de burros', afirma Marí­lia Bonas, diretora executiva do Museu do Café. Uma das obras mais importantes foi a construção da ferrovia responsável pelo escoamento do produto, que aí­ já era o principal item exportado pelo Brasil e sustentava a economia paulistana. Milhares de imigrantes chegaram í  cidade, que deixava cada vez mais para trás a arquitetura colonial e ganhava imponência com grandes edifí­cios. Sedes de grandes bancos e as mansões de famí­lias ricas criaram uma nova cidade. A pequena vila então passa a ser um importante centro comercial com ar contemporâneo. Para Marí­lia, foi o café o grande responsável pela modernização, urbanização e desenvolvimento da cidade de São Paulo. Antigamente, as tradicionais famí­lias do café possuí­am propriedades em três regiões do Estado, vivendo a chamada triangulação. -As famí­lias cuidavam de uma ou mais fazendas no interior, um escritório financeiro em São Paulo e outro escritório de representação em Santos, para tratar de questões de exportação', diz a diretora do Museu do Café. As mansões ocupavam, em grande maioria, as regiões da Avenida Paulista, Avenida Angélica e do bairro Campos Elí­sios. Ao lado de Santos, era o maior ponto de negociação de café do paí­s. Essa trajetória de implementação e dominação do café no Estado e na capital paulista durou até 1930. Mas até hoje o grão é prestigiado na maior cidade e centro de consumo do Brasil. -Na esfera de hábitos e da sociabilidade, São Paulo continua sendo um polo de novas modas relacionadas ao café', conclui Marí­lia. Como bebida, o café segue presente no cotidiano do paulistano, seja nas cafeterias ou nos diversos pontos da cidade que ainda conservam esse importante capí­tulo na história da cidade. Na Avenida Nove de Julho, por exemplo, uma das mais importantes da capital, um monumento homenageia a figura do colhedor de café. Ao lado da estátua, há ainda alguns pés do grão, que segundo os moradores locais, rendem um café de boa qualidade na época da florada. O Brasil ainda é o maior produtor e exportador mundial de café. Na safra que começa em maio, a previsão é de que o paí­s retire das lavouras até 47 milhões de sacas do grão. Fonte: Revista Globo Rural
Comentários
logo-seugado

Para ter acesso completo a esse conteúdo faça login ou cadastre-se grátis.