Carregando...
Publicado por SeuGado.com Gado

Escoamento da safra de grãos fica mais caro

17/08/2017 17:17

Segundo INTL FCStone, preço médio entre MS e SC foi de R$ 82,50/t em junho para R$ 135/t em agosto Com a entrada da "safrinha" de milho no mercado, os fretes rodoviários têm apresentado trajetória ascendente. Na rota entre o Mato Grosso do Sul e Santa Catarina, os preços médios saltaram de R$ 82,50 por tonelada no final de junho para R$ 135,00 por tonelada na primeira semana de agosto. Já na rota entre Balsas e Itaqui os fretes registraram valores mais elevados em relação aos observados em 2016, com exceção a algumas semanas entre janeiro e fevereiro. -Além da grande oferta de milho, que aumenta a demanda por logí­stica, destaca-se que ainda há volumes consideráveis de soja para serem movimentados, inclusive para serem exportados, aumentando ainda mais a procura por contratação de frete', explica a analista de mercado da INTL FCStone, Ana Luiza Lodi. Outro fator que também tem contribuí­do para a elevação recente dos preços do frete é o aumento do PIS/Cofins sobre o diesel. Estimativas da ANTC (Agência Nacional de Transporte de Cargas) apontam que esse aumento de tributação resulta em uma alta de 4% no preço do frete. Diante desse cenário, o comportamento dos fretes no segundo semestre de 2017 deve ser contrário ao observado no mesmo perí­odo do ano passado. No segundo semestre de 2016, os fretes rodoviários no interior do Brasil apresentaram consideráveis reduções quando comparados aos ní­veis observados nos meses anteriores. A situação de oferta de grãos era diferente da observada atualmente, com uma safra de soja não tão grande e com a quebra da "safrinha". -Esse encarecimento do frete traz preocupação quanto í  competitividade do milho brasileiro, num momento em que o câmbio já não está tão favorável', avalia Ana Luiza Lodi. Em julho, os embarques do cereal foram recordes (para o referido mês), mas ainda persistem muitas dúvidas sobre o ní­vel que será alcançado pelas exportações nos próximos meses. Mesmo no caso da soja, como ressaltado, ainda resta um volume considerável para deixar o paí­s, de acordo com as estimativas. E uma logí­stica mais cara tende a prejudicar o produto brasileiro, já que a partir de setembro começa a entrar soja da safra nova dos EUA no mercado. No ano passado, a menor oferta de grãos, principalmente com a quebra da "safrinha" de milho, fez com que os portos do chamado Arco Norte fossem preteridos por locações mais consolidadas nas regiões Sul e Sudeste do Brasil, o que, inclusive, resultou em capacidade ociosa nestes portos. Em 2017, com a superoferta de milho e soja, essas opções de escoamento voltaram a ser mais utilizadas. Fonte: INTL FCStone
Comentários
logo-seugado

Para ter acesso completo a esse conteúdo faça login ou cadastre-se grátis.