Carregando...
Publicado por Igor Duarte

PIB do agro cresce, mas setor gera menos empregos no 1º semestre

23/10/2017 09:12

Desempenho positivo amenizou o efeito das retrações da indústria e dos serviços sobre o PIB nacional; número de postos de trabalho caiu 3,1% A sustentação do PIB Brasileiro nos primeiros sete meses do ano foi possí­vel, novamente, pelo agronegócio, conforme indicam pesquisadores do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP. A safra recorde no campo estimulou a atividade também de outros segmentos, impactando no crescimento de 5,81% no PIB-volume do agronegócio na avaliação de janeiro a julho de 2017. Desse modo, o desempenho positivo da agropecuária pôde amenizar o efeito das retrações da indústria e dos serviços sobre o PIB nacional. Segundo o IBGE, o PIB brasileiro recuou ligeiro 0,04% na comparação do primeiro semestre de 2016 com o mesmo perí­odo deste ano - queda que seria bastante superior não fossem os resultados da agricultura. Em relação aos segmentos do PIB do agronegócio, houve evolução de 2,51% em insumos, 17,07% para primário, 3,59% para serviços, e leve queda de 0,09% na indústria. A análise desse resultado, quando avaliada de forma conjunta com o PIB do Agronegócio pela ótica da renda, explicita o papel negativo da redução real dos preços do agronegócio frente aos demais preços da economia sobre a renda gerada pelo setor. Apesar dos relevantes ganhos de produção no agronegócio, sobretudo na agropecuária, não houve aumento de empregos no setor. Ao contrário, no primeiro semestre de 2017, houve queda de 3,1%, ou mais de 580 mil pessoas, no total de ocupações. De modo geral, as principais reduções ocorreram na própria agropecuária e para trabalhadores atuando por conta própria e com baixa escolaridade. Ao mesmo tempo, e como um resultado desse movimento, os rendimentos médios do trabalho obtidos no agronegócio tiveram ganho real na comparação entre semestres. A queda das ocupações na agropecuária, caracterizada por menor rendimento frente aos demais segmentos, e das ocupações de trabalhadores menos instruí­dos frente í s com maior grau de instrução, explica o aumento do rendimento médio no agronegócio. Quanto ao front externo, verificou-se elevação de 6% no faturamento em dólares do agronegócio frente ao primeiro semestre de 2016. Porém, na mesma comparação, o Índice da Taxa de Câmbio Efetiva Real do Agronegócio se retraiu 17,8% e, em termos de volume, a maioria dos produtos apresentou redução nos embarques. Nesse cenário, o faturamento do setor em Reais recuou cerca de 9%. São exceções no que diz respeito í  redução de volume embarcado: soja em grão, óleo de soja, frutas, celulose, açúcar e madeira. A soja em grão foi o destaque dos embarques do semestre, com o valor em dólar de suas vendas para o exterior representando mais de 33% do faturamento do setor no perí­odo. Fonte: Cepea
Comentários
logo-seugado

Para ter acesso completo a esse conteúdo faça login ou cadastre-se grátis.