Carregando...
Email enviado com sucesso!
Não foi possível realizar essa operação!

AgroMulher

São Paulo, SP, Brasil  397
Bem-vindo à página Agromulher. Um espaço destinado a troca de informações e entretenimento no mundo do agronegócio. Dedicada a todos os engenheiros agrônomos, profissionais da área de engenharias, estudantes e empresas do ramo.

Força do Perfil: Campeão
Campeão

Contato

7 Fotos
  • A HISTÓRIA DO PORTAL AGROMULHER PELA ENGENHEIRA AGRÔNOMA VANESSA SABIONI Olá! Sou Engenheira Agrônoma e venho hoje relatar uma parte da minha vida que representa minhas passagens pelo universo agro e como cheguei até aqui como fundadora do Portal AgroMulher. Não é fácil escrever sobre mim
    A HISTÓRIA DO PORTAL AGROMULHER PELA ENGENHEIRA AGRÔNOMA VANESSA SABIONI

    Olá! Sou Engenheira Agrônoma e venho hoje relatar uma parte da minha vida que representa minhas passagens pelo universo agro e como cheguei até aqui como fundadora do Portal AgroMulher.

    Não é fácil escrever sobre mim mesma e sobre as situações ruins pelas quais eu passei. Acredito que isso acontece para muitas pessoas. A falta de autoconhecimento nos deixa ansiosos e com baixa autoestima, e pensando em reverter esta situação decidi criar um “espaço” onde pudesse ser eu mesma, onde pudesse pensar e sentir, conviver com pessoas com mesmo propósito que o meu: transformar a vida das pessoas.

    Eu? Ansiosa, impulsiva, brava, séria, crítica, orgulhosa, sistemática, impaciente, mas também extrovertida, inteligente, feliz, criativa, sensível, amorosa, carinhosa e com uma enorme vontade de aprender, crescer e ajudar as pessoas. Ajudar no sentido de apoiar, fortalecer, unir e sentir a real necessidade das pessoas, com seus anseios pessoais e profissionais.

    Em minhas experiências no mercado do agronegócio meus pontos fracos prevaleciam, mesmo já tendo feito dois anos de análise. Hoje percebo que isso acontecia porque eu me conhecia muito pouco e, quando a gente não sabe quem é, como vamos nos aceitar? Conhecer e aceitar os nossos pontos fracos nos ajuda a lidar com eles e a comparar situações que nos fizeram expor tais pontos. Isso nos ajuda a dar a melhor direção para as próximas ações.

    Na minha primeira oportunidade no agronegócio, no ano de 2016, iniciei como assistente técnica numa empresa de agroquímicos, atuando na relação de venda com clientes, venda e marketing de produtos, e campos demonstrativos. Também tive contato com o preconceito, o assédio e a competição. Foi uma das fases mais difíceis da minha vida, mas passar por ela me fez uma pessoa mais consciente dos meus próprios limites e potencial, e ainda pude fazer muitas amizades, adquirindo conhecimentos técnicos e visão mais abrange sobre os mercados do agro.

    Na segunda oportunidade em 2017, atuei no marketing para o desenvolvimento de mercado de adubos especiais, atendendo cooperativas de café. Nesta oportunidade me vi perdida. Tudo que havia aprendido lá atrás tinha virado poeira e a minha vida estava péssima. Tinha um gestor insensível, negativamente competitivo e que fazia microgerenciamento comigo. Ele não percebeu o excelente trabalho que eu fazia, conquistando a amizade dos gerentes das cooperativas e das pessoas que trabalhavam nelas. Ele fazia várias visitas técnicas nas fazendas nas quais eu vendia, montava campos demonstrativos e os clientes falavam muito bem de mim, dos produtos e dos resultados efetivos.

    Meu chão se abriu. Quem sou? Onde estou? Para que eu sirvo? Por que eu estou aqui? O que eu faço agora? Como as outras mulheres que passam por isso lidam com essa situação? Eu realmente não sabia. Minha certeza era a vontade de ajudar as mulheres que estavam neste segmento. Mas como?

    Sempre gostei de estar na mídia e nas redes sociais. Sempre gostei de mostrar a minha carinha. Aliei esta vontade ao amor pelo networking no agronegócio. Meu dia a dia sempre foi conversar com profissionais do agro: gerentes, diretores, lideres… Sempre achei que eles eram os caras mais “tops”. E são, pode ter certeza. Queria ter contato com os produtores e saber o que pensavam. Logo, idealizei uma marca, o AGROMULHER. Um amigo me indicou uma plataforma para eu desenvolver o site e eu expliquei para ele que eu queria um em que eu pudesse divulgar informações sobre mulheres do agro, carreira, gestão e universo agro, como um blog.

    Em fevereiro de 2017, desempregada, sem dinheiro, sem saber o que fazer, reiniciei o projeto com o Portal AgroMulher. Voltei a fazer edições no site e o coloquei no ar, porém não divulguei na mídia. Ao mesmo tempo fazia entrevistas de emprego, fazendo um intenso networking pelo Facebook e Linkedin, fazendo o meu melhor marketing pessoal, preocupando-me principalmente com a forma de compartilhar conteúdo, com a forma de abordar os executivos do agro. Buscava maneiras de como eu poderia postar fotos minhas sem que gerassem comentários maldosos, sempre opinando com muita segurança no que dizia.

    Em maio de 2017, coloquei o Portal Agromulher no ar. Contava com três colunistas para a produção de conteúdo e o artigo de estreia foi uma publicação minha com um vídeo e entrevista com a pecuarista e gestora Teresa Vendramini, a primeira mulher a assumir uma posição administrativa na Sociedade Rural Brasileira, em 90 anos. Conheci a Teresa no Facebook através das postagens que faziam sobre ela. Um grande exemplo de liderança feminina no agro.

    Olhando para o passado e observando como estou hoje, consigo ver-me mais forte, mais resiliente e muito mais focada. Os obstáculos e desafios que enfrentei e ainda enfrento, me fazem ser uma mulher mais FORTE, mais DETERMINADA e mais CONSCIENTE, porque eu escolhi me levantar das quedas e fazer destas os meus degraus para o meu sucesso pessoal e profissional.

    Hoje o Portal AgroMulher faz parte da estruturação da Rede Digital AgroMulher, que possui mais de 10 mil seguidores no Instagram, mais de 7 mil curtidas na página do Facebook, grupos de Whatsapp nacional e regionais, além de diversos líderes ou embaixadores que se assumem como representantes dos valores e princípios do AgroMulher.

    A Rede Digital AgroMulher promove todas as mulheres do agro e os grupos formados por elas, e apoia o empoderamento feminino no sentido de fortalecimento e união. Compartilha conteúdos sobre agromulheres de todo o Brasil, além de publicações relacionadas a carreira, gestão, universo agro e notícias. Fazemos eventos digitais com o objetivo de promover o desenvolvimento pessoal e profissional de jovens, estudantes, profissionais, gestores, empreendedores e jornalistas do agro.

    Eu, como Diretora Executiva, atuo liderando o Portal, as redes sociais, grupos de WhatsApp, Congresso AgroDigital, fortalecendo relacionamentos e parcerias com as empresas e pessoas do agro, focada no networking, na gestão de pessoas e processos, e assessorando a áreas jurídicas e burocráticas, além de coordenar estratégias de marketing e os eventos.

    Daniela César Comunicóloga habilitada em Publicidade e Propaganda (PUC-MG), especialista em Processos Criativos em Palavra e Imagem (IEC PUC-MG) com atualização em Marketing (FGV), e proprietária da Invicta Propaganda. Daniela atua como Coordenadora de Comunicação, responsável por novos projetos do portal AgroMulher e na criação de conceito e valor de marca através de design, conteúdo e marketing digital. Daniela tem um carisma contagiante pela sua comunicação clara, com muita simpatia, disciplina, comprometimento e experiência de mais de 20 anos de mercado.

    Deborah Thâmmis é Engenheira Agrônoma e atua como Assessora de Comunicação desempenhado um trabalho de relacionamento e comunicação muito ativo, intenso e com extrema educação e clareza. Deborah também tem experiência na produção de conteúdo e administração de portais e redes sociais.

    Larissa Marques é Desenvolvedora Web e atua como Consultora de TI, executando e liderando processos de Front-end/back-end (por trás das telas do computador). Larissa atua em empresa no segmento de bioenergia e também como desenvolvedora na empresa Caneca, estúdio de soluções web. Possui um perfil de liderança e empatia muito desenvolvidos e é muito colaborativa.

    Na equipe também há mais de 10 colunistas para a produção de conteúdo para o Portal AgroMulher, contribuindo para o desenvolvimento pessoal e profissional do nosso país. No site www.agromulher.com.br vocês poderão conhecer mais sobre cada um deles.

    Temos também muitas AgroMulheres que nos representam nas mídias e nos eventos, como a pecuarista e gestora Sônia Bonato, a gerente de publicidade Cida Muniz, a Lydia Costa, que é fundadora do Canal Cooperativo, a jornalista Lilian Munhoz, a advogada e gestora Andréa Oliveira, a estudante de agronegócio Tatiane Zeferino, que já atua profissionalmente, além de muitas outras queridas. MUITO OBRIGADA AGROMULHERES!

    A REDE DIGITAL AGROMULHER TEM UMA LÍDER QUE REPRESENTA O NOME DA CORPORAÇÃO, MAS ATRÁS DE UM GRANDE LÍDER SEMPRE EXISTE UMA GRANDE EQUIPE. AGRADEÇO A TODA EQUIPE AGROMULHER! SEM VOCÊS NÃO ESTARÍAMOS ONDE ESTAMOS, CRESCENDO, CONTRIBUINDO E TRANSFORMANDO A VIDA DAS PESSOAS.

    VAMOS JUNTOS CONSTRUIR UM AMBIENTE EM QUE PODEMOS SER, SENTIR E CRESCER MUITO, COM MATURIDADE, EQUILÍBIO E SEMPRE ABERTAS A ORIENTAÇÕES.
    Ler mais
    A HISTÓRIA DO PORTAL AGROMULHER PELA ENGENHEIRA AGRÔNOMA VANESSA SABIONI

Ol...
  • Mulheres no Agronegócio – Seus Hábitos pessoais podem afetar o sucesso de seu negócio Identificar os rituais que nos empoderam e os que nos enfraquecem é o dever de toda mulher empreendedora, pois são eles que vão nos direcionar para atingirmos o sucesso em nossa vida pessoal e profissional. Tony R
    Mulheres no Agronegócio – Seus Hábitos pessoais podem afetar o sucesso de seu negócio

    Identificar os rituais que nos empoderam e os que nos enfraquecem é o dever de toda mulher empreendedora, pois são eles que vão nos direcionar para atingirmos o sucesso em nossa vida pessoal e profissional. Tony Robbins, escritor e palestrante motivacional americano, nos mostra, de forma simples, como utilizar nosso foco para ter sucesso. Com uma simples alteração podemos fazer e obter maravilhas.


    Mas o que são rituais?

    Rituais nada mais são do que sequências de hábitos que fazemos no “modo automático”, sem pensar muito sobre eles. Por exemplo, quando você acorda, deve ter um ritual que faz sem nem pensar. Tony Robbins diz que todos nós temos rituais incorporados quando estamos no ápice de nossas emoções. Por exemplo, antes de ficar triste, uma pessoa pode ter o ritual de focar em algo que não lhe agrada, fechar a cara, olhar para baixo, respirar superficialmente, entre outros.


    Existe uma parte em nosso cérebro, chamada SAR (Sistema de Ativação Reticular), que nos faz perceber tudo que está relacionado com nossa visão da vida, buscando e separando informações que são relevantes para você. Então, se você pensar em coisas boas, elas tendem a acontecer, mas, se pensa negativamente, você tende a atrair coisas negativas. Portanto, eleve o seu padrão de pensamento. Elimine a palavra tentar e comece a agir em prol de seu objetivo.


    Nosso comportamento e nossas atitudes são o resultado de tais rituais. Quanto mais você pensar em tristeza, mais deprimida você ficará. Nossos padrões de pensamento, literalmente, estruturam nossa vida e moldam nossa história na medida em que são os responsáveis, na maior parte do tempo, pelo que fazemos ou pensamos.


    Inicie neste momento um minuto de reflexão e pense:

    O que tenho que fazer?

    Em que tenho que pensar para que possa me sentir bem?

    Qual o meu ritual até chegar a cada um dos meus objetivos?

    E quais os gatilhos ou âncoras que dão início a esses rituais?

    Se desejo ter mais lucro em meu negócio, quais rituais tenho realizado diariamente?

    Meus rituais são de uma pessoa que faz gestão, que administra a parte financeira, que poupa e investe?

    Ou em seu ritual não tem nenhum controle sobre seu dinheiro?

    Após pensar nessas respostas, você saberá se o seu ritual de vida atual está te levando ou não ao objetivo desejado.


    A ideia de Tony Robbins é que tenhamos uma receita, passo a passo, por meio da qual acessamos as emoções positivas e negativas. Assim, quando percebemos que estamos entrando em uma emoção negativa saberemos identificar que estamos iniciando o ritual e poderemos interromper seu processo. Eu, por exemplo, todos os dias, assisto a um vídeo motivacional, pois isso eleva meu pensamento de forma exponencial, também faço uma oração o que me transmite paz e tranquilidade para enfrentar as variáveis do dia.

    Os rituais são hábitos. Portanto, para quebrá-los precisamos ser consistentes. Devemos realizar nossas tarefas incorporando nossos novos hábitos de forma sistemática para obter um novo padrão comportamento que eleve os seus padrões e ajude a atingir uma alta performance.

    É importante saber que um hábito só é quebrado quando deixamos de fazê-lo e o substituímos por outro de forma definitiva. E essa decisão depende apenas de você! Nossos rituais nos definem diariamente, por isso, pense em quais são suas decisões diárias, quais os resultados que você tem obtido até agora, e reflita se eles são correspondentes ao que você está buscando.


    Neste exato momento como você se sente? Está satisfeita com suas realizações? Quer melhorar seus resultados? Mude seu ritual pessoal, mude seu foco e seja mais feliz!
    Ler mais
    Mulheres no Agronegócio – Seus Hábitos pessoais podem afetar o sucesso de se...
  • O movimento agtech tem espaço para o talento feminino O agronegócio vem passando nos últimos anos por uma revolução tecnológica. As ideias e soluções inovadoras e disruptivas já fazem parte da rotina dos empreendedores, na maioria jovens, das startups do agro, as agtechs. Desde 2016,
    O movimento agtech tem espaço para o talento feminino

    O agronegócio vem passando nos últimos anos por uma revolução tecnológica. As ideias e soluções inovadoras e disruptivas já fazem parte da rotina dos empreendedores, na maioria jovens, das startups do agro, as agtechs. Desde 2016, Piracicaba, no interior de São Paulo, tem sido sede desse movimento chamado de Vale do Piracicaba ou AgTech Valley.


    O ecossistema, que tem como espinha dorsal a Esalq (Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”), da USP (Universidade de São Paulo), contava com 38% das startups voltadas ao desenvolvimento do agronegócio no Estado de São Paulo e 18,6% do país, de acordo com o 1º Censo AgtTech Startup do Brasil, realizado em 2016. De lá para cá, o movimento só cresceu. A Raízen, gigante sucroenergética brasileira, criou o Pulse Hub de Inovação, que incuba e acelera dezenas de agtechs, e muitas startups de outras regiões vieram para cidade, assim com os fundos de investimento e as grandes empresas interessadas no assunto.


    Apesar de algumas mulheres inspiradoras e talentosas fazerem parte desse ecossistema como a Adriana Lucia, da Agtech Garage, a Mariana Bonora, da BartDigital, a Mariana Vasconcelos, da Agrosmart e a Adriele Giareta Biase, da @Tech, a presença feminina ainda é pequena nas startups do agro.


    De acordo com levantamento feito pela Associação Brasileira de Startups, 4 em cada dez startups no Brasil não têm sequer mulheres na equipe. Um relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), grupo que reúne as nações mais industrializadas do mundo, revela que o acesso ao financiamento é um dos principais desafios que as mulheres enfrentam quando tentam criar um negócio. Segundo o relatório, nos EUA, os investidores são 60% mais propensos a dar dinheiro a homens empreendedores do que a mulheres – mesmo quando o conteúdo das apresentações seja exatamente o mesmo.


    As mulheres já vêm conquistando espaço em vários setores do agronegócio como nas propriedades rurais, nas universidades, centros de pesquisa e agroindústrias. Além disso, vários levantamentos mostram que empresas geridas por mulheres são mais rentáveis e eficientes e a maioria delas um forte perfil empreendedor. O potencial e a capacidade as agromulheres já têm, apesar das dificuldades, agora é a hora de agarrar mais essa oportunidade que o agronegócio apresenta! Fique de olho, há vários programas de capacitação, mentoria, incubação e aceleração para agtechs procurando seu talento!
    Ler mais
    O movimento agtech tem espaço para o talento feminino

O agronegócio vem pas...
  • De salto alto, de botas e enfim descalça Uma dentre tantas lições valiosas que venho aprendendo com a terra, talvez essa seja a que norteia hoje minhas ações como pessoa e como profissional do agronegócio: autenticidade. A vida feminina é marcada por uma longa história de repress&atild
    De salto alto, de botas e enfim descalça

    Uma dentre tantas lições valiosas que venho aprendendo com a terra, talvez essa seja a que norteia hoje minhas ações como pessoa e como profissional do agronegócio: autenticidade.


    A vida feminina é marcada por uma longa história de repressão, de preconceito e de valores baseados em uma sociedade que até pouco tempo atrás era predominantemente machista. Todo esse conteúdo ainda pesa nos inconscientes, influencia de maneira sutil a formação e liberdade de expressão do feminino. Mesmo hoje, quando a mulher conquista seu espaço e dá voz aos seus potenciais, o que foi vivido e principalmente deixado de viver por tantas mulheres, se expressa como amarras prendendo alguns pontos da sua vida. Em muitos casos impedindo o pleno desenvolvimento do ser maravilhoso chamado mulher.


    Na minha trajetória, tanto no agronegócio quanto na formação do meu eu feminino, essas sutis marcas históricas também se fizeram presentes. E elas só não foram determinantes porque percebi a grandiosidade da feminilidade a tempo de prezar por ela.


    E a minha história de amor com o agro e com o meu feminino se inicia com um momento de grande caos e sofrimento em minha vida. Foi em um período onde a minha feminilidade, minha personalidade, meus potenciais e minha vida profissional e pessoal eram expressos por um lindo salto alto. Lá estava eu, caminhando pelo mundo e construindo a vida literalmente sobre um símbolo do poder feminino. O salto alto era meu porto seguro, meu ponto de apoio e a forma de pisar sobre as marcas históricas para conseguir meu espaço. Foi então que a vida me derrubou lá de cima, meu salto quebrou e me vi parada sem saber como prosseguir. O caos veio quando meu pai adoeceu, e de alguém protetor tornou-se alguém que precisava ser protegido. Um produtor rural que manteve as duas filhas afastadas do agronegócio, muito por proteção, e um pouco por influência de todo esse histórico machista, existente em especial nesse setor. Vendo a fragilidade de quem eu amava, e também da terra onde tenho minhas raízes, decidi jogar fora aquele sapato de salto alto quebrado e colocar uma bota.


    Agora de botas, entrei para o agronegócio sem conhecimento, sem base alguma mas com a vontade de recuperar meu pai e a terra. Esse amor me moveu e fez ir em busca de possibilidades, me deu garra para enfrentar as dificuldades e força para trabalhar incansavelmente.


    No início tentei me moldar ao “modo masculino” de trabalhar. Exigia de mim mesma postura profissional, forma de agir e pensar o trabalho como os homens a minha volta faziam. Achava que somente assim seria eficiente e eficaz em tudo que fizesse. Mas percebi que além de não estar dando certo, eu estava impondo a mim mesma algo que não era meu e me causava sofrimento. Aos poucos fui dando espaço e liberdade de expressão ao meu feminino. Fui dessa forma me desenvolvendo como profissional e mulher. Percebi que o resultado do meu trabalho se tornava cada vez mais positivo a medida que eu me tornava mais feminina. Meus potenciais e meu trabalho hoje são expressos com meu jeito mulher de ser. Minha eficiência provém de uma maneira muito feminina de ser profissional nesse setor que hoje é uma das razões da minha vida, o agronegócio.


    Agradeço à terra por me ensinar que agora posso andar descalça, sendo eu mesma. Que posso fazer, plantar, criar, trabalhar, colher e viver respeitando a minha própria história, os meus valores e sendo autenticamente feminina.
    Ler mais
    De salto alto, de botas e enfim descalça

Uma dentre tantas lições valiosas...
  • Espero que todas as mulheres que trabalham "antes / dentro / depois" da porteira cheguem nos100% de equidade salarial! Via Agro Carreira: "Nesta semana em que é comemorado o Dia Internacional da Mulher, uma pesquisa inédita do Centro de Estudos do Agronegócio da Fundação Getúlio Vargas
    Espero que todas as mulheres que trabalham "antes / dentro / depois" da porteira cheguem nos100% de equidade salarial!

    Via Agro Carreira:

    "Nesta semana em que é comemorado o Dia Internacional da Mulher, uma pesquisa inédita do Centro de Estudos do Agronegócio da Fundação Getúlio Vargas joga luz ao tema e traz uma boa notícia: no agronegócio esse diferencial de salários é menor do que na economia brasileira, ou seja, as mulheres receberam 78,3% do que foi recebido pelos homens. Dentro do agronegócio, o diferencial é ainda menor na pecuária, setor no qual as mulheres receberam, em 2017, 99% do valor da remuneração média dos homens." (Fonte: Canal Rural)

    #AgroCarreira #Agronegócio #MulheresDoAgro #AgroMulheres #MulheresEmCampo
    Ler mais
    Espero que todas as mulheres que trabalham
logo-seugado

Para ter acesso completo a esse conteúdo faça login ou cadastre-se grátis.