Carregando...
Email enviado com sucesso!
Não foi possível realizar essa operação!
cover image
PD

Portal DBO

 91

Força do Perfil: Intermediário
Intermediário

Contato

  • O ministro Blairo Maggi (Agricultura, Pecuária e Abastecimento), deverá anunciar na reunião da Comissão Sul-Americana para a Luta Contra a Febre Aftosa (Cosalfa) 2017, o cronograma da mudança da vacina contra a febre aftosa e maiores detalhes da retirada gradual da vacinação no paí­s, com
    O ministro Blairo Maggi (Agricultura, Pecuária e Abastecimento), deverá anunciar na reunião da Comissão Sul-Americana para a Luta Contra a Febre Aftosa (Cosalfa) 2017, o cronograma da mudança da vacina contra a febre aftosa e maiores detalhes da retirada gradual da vacinação no paí­s, com a apresentação das ações que serão adotadas para isto. A reunião da Cosalfa será realizada entre 3 e 7 de abril, em Pirenópolis (GO). O Mapa trabalha com a possibilidade de retirar a vacinação de 80 milhões de cabeças a partir de novembro de 2018.

    O diretor do Departamento de Saúde Animal do ministério, Guilherme Marques, destaca que -a reunião será um divisor de águas pela sinalização que o Brasil vai dar de que é possí­vel a retirada da vacinação e que outros paí­ses vizinhos utilizem a estratégia, desde que tenham condição sanitária para tanto'. Além do Brasil, são integrantes da Comissão Argentina, Bolí­via, Chile, Colômbia, Equador, Guiana, Panamá, Paraguai, Peru, Suriname, Venezuela e Uruguai.

    Na terça-feira, Guilherme Marques reuniu-se com representantes dos fabricantes de vacinas e com integrantes das áreas do ministério ligadas í  questão, a de insumos pecuários (Departamento de Fiscalização de Insumos Pecuários, DFIP) e de laboratórios (Coordenação Geral de Laboratórios Agropecuários, Cegal), para receber sugestões de como fazer a mudança do tipo da vacina e de prazos compatí­veis para retirada gradual da vacinação.

    Segundo o diretor Guilherme Marques, -a retirada da vacinação está decidida, o que é preciso agora é definir como e quando será realizada. E, para isso, serão promovidas reuniões no paí­s com todos os integrantes da cadeia produtiva. -Não haverá surpresas, tudo será feito de maneira organizada e tecnicamente defensável, respeitando também a situação sanitária dos estados', garantiu.

    Marques explicou que, primeiro a vacina será modificada, pois será retirado o ví­rus -C' (inativado) da composição do produto, que foi erradicado há mais de 13 anos na região, não sendo mais necessária imunização. A retirada do ví­rus C é possí­vel e viável na avaliação do diretor do departamento.

    Atualmente o produto é trivalente e protege o rebanho dos ví­rus A, C e O. Em 2018, o produto será bivalente contendo apenas as cepas A e O. Com isso, a dose do produto também deverá diminuir de 5 ml para 2 ml, sem perder qualidade e com os antí­genos (substância que provoca a produção de anticorpos, ativando o sistema de defesa do organismo) necessários í  manutenção da erradicação da doença. Ele nfatiza que todo estoque da trivalente poderá ser totalmente utilizado.

    -Estamos em uma posição muito confortável, tanto pela inexistência de circulação de ví­rus da aftosa, no paí­s e na região ( paí­ses que integram a Comissão), quanto í  resposta imunológica alta dos nossos rebanhos, o que viabiliza mudanças na vacina, além da retirada gradativa do produto', completou o diretor.

    Com a nova vacina, Marques prevê redução no custo do transporte, no armazenamento e na conservação das doses, tanto no processo de fabricação e distribuição, quanto na comercialização. Também haverá menor gasto com o manejo nas propriedades e menos reações nos animais, como os eventuais caroços no couro, que podem provocar perda de até 2 Kg na toalete (preparação dos cortes).

    Fonte: Mapa
    Ler mais
logo-seugado

Para ter acesso completo a esse conteúdo faça login ou cadastre-se grátis.